Jornal Atual
< Voltar

Rio Pardo atinge nível crítico, acende alerta e órgãos pedem economia de água

Publicada dia 20/08/2021 às 13:54:34

SAE

rio-pardo-atinge-nivel-critico-acende-alerta-e-orgaos-pedem-economia-de-agua

Renan Alves


Nas últimas 24 horas o nível do Rio Pardo no setor de captação de água da Estação de Tratamento da SAE caiu mais dois centímetros, intensificando o alerta de um possível desabastecimento. Na manhã de quinta-feira (19) o rio marcava 1,23 metro. Se o nível chegar a 1 metro, a captação de água precisa ser paralisada para não queimar bombas e outros equipamentos. Isso pode afetar o abastecimento interrompendo o fornecimento de água. O problema vem sendo noticiado desde o início da semana. Longo período de estiagem e forte calor são as principais causas da redução do volume das águas do Rio Pardo.

A previsão do tempo para os próximos dias não é animadora. Segundo estimativa do instituto Climatempo, os termômetros devem atingir 40º C em Ourinhos na quarta-feira (25). Calor aumenta o consumo de água e caso o rio continue baixando pode não haver captação suficiente para repor a demanda. Isso vem preocupando os profissionais da Estação de Tratamento de Água, que pedem para a população economizar, utilizando água de forma consciente.

Nas redes sociais município, a população também demonstra preocupação e critica moradores que utilizam água para lavar calçadas, quintais e veículos.

O problema da água não é exclusivo de Ourinhos. Pelo menos oito cidades do interior paulista, algumas delas em nossa região, já enfrentam falta d’água ou racionamento provocadas pelo baixo nível de rios ou reservatórios em decorrência do longo período sem chuvas. Bauru (124 Km), São José do Rio Preto (285 Km), Itu (309 Km), Salto (322 Km) e Suzanápolis (388 Km) instituíram rodízio para minimizar os efeitos da falta de água. A cidade de Franca (415 Km), Penápolis (212 Km) e Guararapes (280 Km) deixaram a população de sobreaviso. Na capital Paulista, o Sistema Cantareira, represas que abastecem metade da população da região metropolitana já está operando abaixo de 40% da capacidade.
 

Compartilhar nas redes sociais