< Voltar

Vereadoras aprovam campanha do TSE sobre violência de gênero

Publicada dia 13/08/2021 às 11:55:18

Pedro Figueira

vereadoras-aprovam-campanha-do-tse-sobre-violencia-de-genero

Thaís Balielo


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estreou na segunda-feira, 2, uma nova campanha de incentivo à participação feminina na política. A campanha abordará a violência de gênero na política e será divulgada em todas as emissoras de TV e rádio do país, bem como nas redes sociais da Justiça Eleitoral. A Câmara de Santa Cruz do Rio Pardo possui duas vereadoras atualmente e elas aprovaram a nova campanha.

Mariana Fernandes (MDB) foi eleita com 602 votos e foi a única mulher na Câmara até o dia 7 de junho, quando Roseane Freitas (PSD) assumiu a vaga de suplente do seu partido. Após muitos anos de legislaturas com apenas uma ou nenhuma mulher, agora a Câmara de Santa Cruz possui duas vereadoras entre as 13 cadeiras.

Mariana acredita que a participação das mulheres na política seja essencial. “As mulheres possuem uma visão diferente, possuem mais sensibilidade, um olhar acolhedor, de afeto. Eu acredito que esse olhar feminino é de extrema importância na política”, afirma.

Para ter a vontade de entrar para a política, Mariana revela que teve muito incentivo do pai, que foi vereador há 20 anos. Com uma experiência de sete anos no Fundo Social de Solidariedade, resolveu unir o trabalho exercido dentro do executivo com o apoio do pai e resolveu entrar na política.

“Apesar de ainda existir um preconceito muito grande no nosso país, eu não senti preconceito na Câmara do nosso município, todos os vereadores são educados e respeitosos, em relação a isso temos uma Câmara muito boa, porém com a chegada da Roseane, me senti mais acolhida, tenho uma proximidade muito grande com ela. É muito importante aumentar a representatividade feminina, a Roseane entrou para somar, somos apenas duas mulheres na Câmara, mas somos bem unidas”, revela.

Mariana lamenta que ainda haja muita falta de interesse das mulheres na política. “Elas acham que não vão ser ouvidas, além disso, exposição é muito grande, e muitas mulheres não gostam de lidar com essas situações”, pondera.

Roseane Freitas obteve 472 votos na última eleição, mas não conseguiu sua vaga na época. Com a saída do vereador eleito Adriano Campanha e depois também do suplente João Marcelo Santos, a vaga ficou com Roseane. Ela tomou posse no dia 7 de junho. Foi a segunda disputa dela nas urnas, mas agora está tendo a oportunidade de mostrar suas ideias e projetos para a cidade.

Questionada sobre o que a levou para a política, Roseane afirmou que sempre gostou de ajudar o próximo, mas as dificuldades financeiras a limitavam. A partir do momento que se mudou para Santa Cruz e iniciou o projeto de hidro e natação dentro da Secretaria de Esportes, passou a enxergar mais as necessidades das pessoas e começou a pensar na política como um meio de conseguir ajudar.

“Começamos a ter um olhar diferente, recebi o convite de entrar na política e fui trabalhando a ideia na minha cabeça. Amadureci a ideia e resolvi tentar. Claro que é uma área muito machista, mas precisam das mulheres na chapa para garantir os 30% da legislação. Acredito ainda que deveria ter vagas exclusivas para mulheres nas Câmaras, além da cota de candidatas”, afirma.

Roseane acredita que é preciso mais mulheres em todas as áreas e não apenas na política. “Mulher é a maioria da população, mas ainda tem muito espaço a conquistar. Precisamos de mulheres em todas as áreas. As mudanças estão vindo. As mulheres estão inseridas em várias coisas restritas aos homens. A mulher é multifuncional, faz muitas coisas ao mesmo tempo, é guerreira. Mulher deve atuar em todas as áreas, com salários justos e com igualdade de oportunidades”, argumenta.

Roseane conta que foi muito bem recebida pela vereadora Mariana. “Juntas vamos abrir um leque de mulheres na política. Espero que sejamos um incentivo às outras mulheres guerreiras que batalham junto da gente. Cada vez mais o número de mulheres irá aumentar na política. É um momento histórico”, afirma.

Sobre os homens, Roseane afirma que foi recebida com muito carinho e respeito por todos, mas admite que existe uma certa divisão de “rodinhas masculinas”. “Eles fazem as rodinhas deles e eu e a Mariana fazemos a nossa, mas vou me colocando e me fazendo ser ouvida”.

Campanha – A Campanha do TSE é uma parceria com o Instituto Marielle Franco para coletar alguns depoimentos de mulheres que sofreram violência de gênero na política. As peças serão estreladas por atrizes que representam a diversidade feminina: idosas, indígenas, jovens, transgêneros e negras. Uma das preocupações do Tribunal é imprimir representatividade aos materiais de divulgação. A atriz e embaixadora da ONU Mulheres, Camila Pitanga, estrela a campanha (ela não cobrou cachê).

Compartilhar nas redes sociais