< Voltar

Família de vereador em Espírito Santo é suspeita de fraudar auxílio

Publicada dia 21/07/2020 às 11:35:12

Reprodução

familia-de-vereador-em-espirito-santo-e-suspeita-de-fraudar-auxilio

Renan Alves


Uma apuração realizada pelo Atual mostrou que a família do vereador de Espírito Santo do Turvo, Waldemar Zanata Neto (PSDB) pode ter fraudado o auxílio emergencial disponível pelo governo. O benefício é voltado para pessoas carentes e trabalhadores informais que foram afetados pela pandemia do novo coronavírus.

A esposa do vereador, Sonalia de Paula da Silva, proprietária de uma lanchonete em Espírito Santo do Turvo foi aprovada pelo programa do governo, já recebeu duas parcelas e a terceira está prevista para ser depositada amanhã, 22, pela Caixa Econômica Federal.

Os filhos do vereador também estão recebendo. Leonardo Zanata é bacharel em direito formado pela ITE de Bauru. Para receber o auxílio ele cadastrou um endereço do município de Bauru (SP). Letícia Zanata, filha mais velha do político se cadastrou no benefício e foi aprovada com um endereço de Presidente Prudente (SP). Ela é estudante de medicina da Faculdade de Medicina de Presidente Prudente, uma instituição particular.

O único que não aparece na lista de beneficiados é o próprio pai da família. Ele é motorista concursado pela Prefeitura de Espírito Santo do Turvo com salário base de R$ 1.596,92 e também possui o mandato de vereador local com subsídio mensal de R$ 2.317,13.

No mês de abril, o ministério da Economia liberou R$ 35,8 bilhões para 50 milhões de pessoas em todo o país. O Tribunal de Contas da União tem realizado um pente fino entre os que se que cadastraram para receber o auxílio. O órgão federal já detectou pelo menos 620 mil brasileiros que fraudaram o sistema e receberam indevidamente.

Os nomes de quem recebeu pelo menos uma parcela no município podem ser denunciados no Ministério da Cidadania, a Ouvidoria é o canal para o registro de denúncias de recebimento indevido de benefícios. As denúncias também podem ser feitas pelo telefone 0800 707 2003 (opção 5) ou por formulário eletrônico.

A Caixa Econômica informou à reportagem que o Ministério da Economia já suspendeu 600 mil benefícios em todo o Brasil desde o início da distribuição do auxílio por conta de fraudes.

Procurado pela nossa reportagem, o vereador afirmou que os filhos já são considerados independentes e moram nos municípios de Bauru e Presidente Prudente. Sobre a esposa, Waldemar afirmou que não sabe o motivo do auxílio estar aprovado e que os valores não foram sacados.

Compartilhar nas redes sociais