< Voltar

Santa Cruz confirma primeiro caso de Chikungunya de 2018

Publicada dia 04/12/2018 às 11:08:05

santa-cruz-confirma-primeiro-caso-de-chikungunya-de-2018

Santa Cruz do Rio Pardo confirmou o primeiro caso de Chikungunya neste ano de 2018. A doença foi confirmada por um laboratório particular, mas a Secretaria de Saúde ainda aguarda resultado do Instituto Adolfo Lutz.

A santa-cruzense é moradora da Vila 80 e viajou alguns dias antes para os municípios de Assis e Ourinhos. A Secretaria da Saúde afirmou que está realizando todas as ações de combate e controle conforme protocolo do Ministério de Saúde. “Está sendo feita a nebulização em um raio de 600 metros ao redor do caso nos Bairros Vila Oitenta e Santa Aureliana”, afirma a nota.

A paciente apresentou os primeiros sintomas no início do mês de outubro, sendo investigado outras doenças, inclusive dengue com sorologia negativa, mas com a persistência dos sintomas houve uma suspeita de chikunguya que foi confirmado por exame laboratoriais.

No ano de 2016 foi confirmado um caso de chikungunya no município, caso importado do estado de Pernambuco. Em 2017, Santa Cruz do Rio Pardo não registrou a doença.

A febre pelo vírus chikungunya é um arbovírus, ou seja, vírus transmitidos por picadas de insetos, especialmente mosquitos. O transmissor do Chikungunya é o mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue, febre amarela e o zika vírus. Ele necessita de água parada para proliferar, portanto, o período do ano com maior transmissão são os meses mais chuvosos de cada região. No entanto, é importante manter a consciência e hábitos sádios de higiene para evitar possíveis focos e criadouros do mosquito Aedes aegypti, que pode ter ovos resistindo por um ano até encontrar as condições favoráveis de proliferação (tempo quente e úmido).

Os principais sintomas da chikungunya são: febre, dores intensas nas juntas, em geral bilaterais (joelho esquerdo e direito, pulso direito e esquerdo), pele e olhos avermelhados, dores pelo corpo e na cabeça, náuseas e vômitos.

Cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas. Normalmente, os sintomas aparecem de dois a 12 dias da picada do mosquito, período conhecido como incubação.  E tem como principal complicação a persistência da dor e do inchaço nas articulações que podem durar até três meses.

Compartilhar nas redes sociais