< Voltar

A Distopia está no ar

Publicada dia 07/05/2020 às 10:46:29

Arquivo Pessoal

a-distopia-esta-no-ar

Diego Singolani


O músico e produtor santa-cruzense Elias Chalup, 29, lançou nesta semana o EP “Distopia”, seu primeiro trabalho solo como artista. São seis músicas autorais que orbitam a temática futurista e catastrófica de escritores como George Orwell, Aldous Huxley e Zamiátin. A obra reflete o ecletismo de Chalup, passeando entre o rock e o rap, com influências de trap, country, metal e pop.

O produtor afirma que a temática distópica do EP foi uma escolha conceitual que surgiu a partir da retomada do hábito da leitura, que ele havia deixado de lado. “Pedi sugestões para meus amigos leitores e me interessei pelo tema distópico do ‘1984’, de George Orwell, que, apesar de ficção, tem traços muito fortes da realidade. Depois de terminá-lo e de ter feito a primeira música, gostei tanto que decidi fazer um EP todo dedicado a esse tema, justamente por dialogar muito com o momento que vivemos”, explica Chalup.

Com exceção da faixa “Pandemônio”, que fala sobre a pandemia de Covid-19, todas as outras 5 músicas foram inspiradas em livros. As obras escolhidas por Chalup foram “1984” e “A Revolução dos Bichos”, de George Orwell; “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley; “Fahrenheit 451”, de Ray Bradbury; e “Nós”, de Zamiátin. “Eu criei a parte instrumental primeiro, com o clima e todos os elementos que eu quis. A letra eu criei ouvindo repetidamente o instrumental enquanto lia as anotações feitas durante a leitura dos livros. Foi uma mistura das anotações do livro com minha interpretação e também tentativa de colocar a história nos dias de hoje”, conta. “Em todas essas obras as pessoas são subordinadas a um sistema de governo totalitário, seja pela força, espionagem, tortura e manipulação de fatos, como em ‘1984’, seja pela manipulação psicológica e genética, como em ‘Admirável Mundo Novo’, ou seja, pelo mundo matematicamente perfeito e sem imaginação de ‘Nós’”, diz Chalup. 

O EP “Distopia”, mais do que uma alegoria baseada na literatura futurista, é um manifesto político de Elias Chalup que encontra ressonância na realidade presente. “O momento do Brasil é agoniante. Estamos indo pra trás. Muita gente se deixou levar pela raiva de governos anteriores e, num momento de desespero, colocou suas esperanças em uma pessoa que não tem a mínima condição de ocupar o cargo de presidente. Com certeza isso parece uma realidade distópica. Não sou muito otimista em relação ao futuro. A história da humanidade sempre foi rodeada de conflitos, interesses, desigualdades e não vejo como ela poderia ser diferente. Espero somente que não piore como vem acontecendo”, afirmou o músico.

“Distopia” já está disponível nas plataformas de streaming e nas redes sociais de Elias Chalup. O trabalho, que foi produzido no estúdio TK Faktory, conta com participações especiais de Francinni Soret, Big N, Lucas Britto, Fabio Nantes, Caiã Zambotto, Luciano Kemp e Dam Yoneda.

Compartilhar nas redes sociais