< Voltar

O pão nosso de cada dia

Publicada dia 01/11/2020 às 22:26:29

Arquivo pessoal

o-pao-nosso-de-cada-dia

Diego Singolani


Na semana passada comemorou-se o Dia Mundial do Pão. A data - 16 de outubro - foi instituída em 2000, em Nova York, pela União dos Padeiros e Confeiteiros. O pão é um dos alimentos mais tradicionais em todo o mundo, com uma infinidade de versões que representam muito bem a diversidade cultural dos povos. Mais do que isso, o pão também carrega uma simbologia espiritual, desde o maná, enviado dos céus aos hebreus, até o Corpo de Cristo, na Santa Ceia, passando por referências dentro do islamismo, induismo, candomblé, entre outras religiões.

A história do pão é antiga. Ele teria surgido há mais de 6 mil anos, quando os egípcios descobriram a fermentação do trigo. Ali ele era considerado um alimento básico e era um símbolo de poder. Os pães preparados com trigo de qualidade superior eram destinados apenas aos ricos. Os egípcios se dedicavam tanto ao pão que se tornaram conhecidos como “comedores de pão”. Desde os primórdios, os grãos eram consumidos de forma bruta, comidos crus. Posteriormente, alguns historiadores afirmam que, por acidente, os pães - que eram formados numa pasta mascada na boca, pasta essa feita de mingau – caíram em cima de uma pedra quente, em uma fogueira e, a partir dali, se gerou uma massa assada. 

Quando o homem começa a controlar o processo de fermentação, a partir das descobertas do cientista francês Louis Pasteur (1822-1895), a técnica de fazer pão se aprimorou e se espalhou pelo mundo. Isso porque, no começo da história, havia muita rejeição àquilo que fermentavam porque dava ideia que estava estragando. 

Historiadores afirmam que o produto chegou ao Brasil por meio dos portugueses. O primeiro documento que narra um brasileiro consumindo pão foi a carta de Pero Vaz de Caminha. Quando as naus portuguesas chegaram em território brasileiro, elas traziam pães. Os índios então provaram, pela primeira vez, aquilo que era totalmente estranho, que era o pão. E a reação dos índios não foi lá muito favorável porque eles não estavam habituados a consumir aquele tipo de produto. Os produtos que se consumiam aqui eram derivados da mandioca e típicos da região. Mas foi com o plantio do trigo, que teria sido iniciado pelas sementes trazidas por Martim Afonso de Souza - nobre e militar português, (1490-1570) -  é que o hábito de comer pão começa a crescer no país. 

Padocas e o francês

Em 2018, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (Abip) havia em todo o país 70.523 padarias. Mais de 14 mil delas estavam localizadas no estado de São Paulo. A maior parte dessas padarias, cerca de 95% do total, são micro e pequenas empresas familiares. A primeira delas pode ter surgido no Rio de Janeiro. Ou em São Vicente, no litoral paulista. Mas há poucos dados ou registros sobre isso. Com isso, a padaria que ficou conhecida como a mais antiga do Brasil é a Santa Tereza, localizada na região da Praça da Sé, em São Paulo. A Santa Tereza foi fundada em 1872.

O pão branco, com um miolo úmido, revestido por uma casca fina, dourada e levemente crocante, composto por água, farinha de trigo, sal e fermento, e mais conhecido como pão francês – o nome varia conforme a região do país –, é o mais consumido pelos brasileiros. Entre os produtos de panificação, a venda de pão francês corresponde atualmente, segundo a Abip, a 45% do total comercializado nas padarias.

Receita

Pão caseiro da alegria

Ingredientes:

  • 2 copos de leite (copo americano);
  • 1 copo de óleo;
  • 4 colheres (sopa) de açúcar;
  • 1 colher (sopa) sal (rasa);
  • 3 ovos;
  • 60g de fermento fresco;
  • 1kg de farinha de trigo.

Modo de preparo:

  • O primeiro passo é fazer uma esponja (ativar o fermento). Em uma bacia, coloque o leite, o fermento, 3 colheres de açúcar, 2 colheres de farinha de trigo e 1/4 xícara de leite, misture tudo até formar uma papinha. Cubra a bacia e deixe descansar  até dobrar de volume, por aproximadamente 15 minutos.
  • Na bacia onde está a esponja, acrescente os ovos, o óleo, o restante do açúcar, o sal, o restante do leite, e a  farinha de trigo aos poucos, até a massa desgrudar das mãos.
  • Tampe com um guardanapo e leve novamente ao forno desligado até dobrar de volume, por aproximadamente 30 minutos.
  • Divida a massa em pedaços menores e enrole os pães. 
  • Coloque em forma untada e enfarinhada, leve ao forno desligado até crescer.
  • Asse em forno baixo até dourar.

Dicas: Para saber que o pão está no ponto certo de assar, faça uma bolinha com a massa da última etapa de fermentação, coloque num copo com água. Quando a bolinha subir, está na hora de ligar o forno. Nos 10 primeiros minutos, deixe o forno em fogo alto, depois abaixe, isso faz com que o pão fique com uma saborosa casquinha.

Compartilhar nas redes sociais