< Voltar

Otacílio vai seguir governo federal e manter atividades abertas

Publicada dia 19/06/2020 às 17:36:19

Renan Alves

otacilio-vai-seguir-governo-federal-e-manter-atividades-abertas

Diego Singolani


O prefeito Otacílio Parras Assis (PSB) afirmou ao Atual que manterá abertas todas as atividades econômicas classificadas como essenciais pelo governo federal, mesmo que elas estejam fora dos critérios de flexibilização por etapas da quarentena do Estado. O posicionamento veio após o governo de São Paulo anunciar na tarde desta sexta-feira, 19, o retrocesso da região de Marília - que incluí Santa Cruz do Rio Pardo - da fase laranja para a fase vermelha, a mais rígida, devido a piora nos índices de enfrentamento à Covid-19. As regras mais duras passam a valer a partir segunda-feira, 22, mas, em Santa Cruz, pela posição da prefeitura, a tendência é que praticamente nada se altere.

Otacílio afirmou inclusive que será mantida a publicação no semanário de amanhã, 20, dos decretos que disciplinam a reabertura ao público de igrejas, restaurantes e bares a partir do dia 27 de junho. "Como é que o comerciante vai fazer um planejamento? Mudando a cada sete dias?", questionou. Pelas orientações do governo do Estado, as atividades tidas como essenciais e, portanto, liberadas para a fase vermelha seriam, basicamente, alimentação (delivery), abastecimento, saúde, bancos, limpeza, logistica, industria, comunicações e segurança. O comércio, por sua vez, deveria permanecer fechado. Porém, o governo federal ampliou consideravelmente o número de atividades definidas como essenciais. É o caso das academias e barbearias, que já estão funcionando em Santa Cruz do Rio Pardo. "Estar de acordo com o governo federal é o que vale. Igreja, lotérica, banco, alimentação, cabeleireiro, academia, são essenciais", afirmou Otacílio. 

O chefe do Executivo se mostrou preocupado em relação a situação do comércio e disse que a procuradoria jurídica do município já foi acionada para averiguar todas as atividades que foram enquadradas como essenciais pela presidência da república. "Se o comércio não é, vai ter que fechar, o que é um erro. Eles (Estado) deveriam fazer a classificação por microrregião", criticou Otacílio, se referindo as fases de flexibilização do Plano São Paulo. Esta, aliás, é a mesma opinião do promotor de justiça Marcelo Saliba, que também foi ouvido pela reportagem. "Ainda não conversei com o setor de Saúde para avaliar as condições do município e aquilo em que seremos afetados. O grande problema da classificação do governo do Estado é que a região é ampla e problemas ocorridos em Marília, a 100 km de distância, nos afetam", disse. Sobre a reabertura de igrejas, restaurantes e bares ao público, prevista para semana que vem, Saliba foi mais cauteloso. "Temos uma semana para avaliar os índices. Nas reuniões, deixamos claro que a abertura estaria condicionada aos índices do momento e seria reavaliada dia-a-dia", afirmou o promotor.

O decreto federal n° 10.329, publicado no dia 29 de abril de 2020, ampliou o rol de atividades essenciais definidas pelo presidente Jair Bolsonaro. Entre elas, está o comércio de bens e serviços.

Compartilhar nas redes sociais