< Voltar

Polêmica das ruas asfaltadas pela metade volta à Câmara

Publicada dia 26/10/2020 às 10:08:37

Isadora Iaroseski

polemica-das-ruas-asfaltadas-pela-metade-volta-a-camara

Diego Singolani


Uma obra esdrúxula da atual administração voltou à baila nas discussões da Câmara de Santa Cruz do Rio Pardo. Na última sessão ordinária, realizada na terça-feira, 13, o vereador Joel de Araújo (Republicanos) apresentou um projeto de alteração de lei que permitiria a Prefeitura concluir a pavimentação das ruas que cercam a praça Major Antônio Aloe, no Centro da cidade. Atualmente, as vias estão asfaltadas pela metade, já que uma parte do piso original, construído com paralelepípedos nos anos 1930, foi preservada por motivos históricos.

A proposta de Joel foi de alteração do artigo 1º da lei nº 3221 de 2018 que permite o asfaltamento de apenas 50% das ruas Saldanha Marinho, General Osório e Cel. Julio M. Salgado. Esta lei, por sua vez, já foi criada em substituição a outra norma, de 2014, de iniciativa de Edvaldo Godoy (Solidariedade), que determinava a preservação total dos paralelepípedos da região conhecida como Chafariz, marco zero do surgimento do município de Santa Cruz. Em 2018, uma sugestão do grupo governista, com anuência de Edvaldo Godoy, mudou a lei permitindo que metade da rua recebesse o asfalto. A justificativa era que moradores da vizinhança reclamavam do barulho causado pela trepidação dos veículos nos paralelepípedos. Entretanto, a “emenda ficou pior que o soneto”. A saída encontrada, de manter uma faixa do piso original, acabou não agradando nem àqueles que defendiam a preservação do patrimônio histórico, que foi descaracterizado, e nem aos moradores supostamente descontentes com o barulho, que diminuiu, mas não cessou.

Segundo informações, nos bastidores havia um entendimento entre oposição e situação para que o projeto de Joel fosse aprovado durante a última sessão. Porém, minutos antes do início da reunião, a bancada governista teria se manifestado para que o autor pedisse o adiamento da votação por três sessões, o que levaria a decisão do imbróglio somente para depois das eleições. Os motivos da mudança de posição da base do prefeito Otacílio Parras Assis (PSB) são desconhecidos. Insatisfeito, Joel de Araújo aceitou adiar a votação do projeto por apenas uma sessão. A matéria volta para apreciação na reunião de segunda-feira, 26.

Compartilhar nas redes sociais